Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Viver em Portugal ou Emigrar?

por Nuno Saraiva, em 19.01.13

Uma dúvida que se coloca em muitos de nós, é ponderar a possibilidade de emigrar, de preferência para um país emergente, porque confiantes das nossas capacidades achamos que facilmente teremos sucesso e a adaptção é uma coisa secundária que facilmente se supera.

 

É comum, pessoas mais velhas nos dizerem: "Se tivesse a sua idade ia para o Brasil, ou para Moçambique, etc."

 

Há algumas coisas que não gosto em Portugal e que me dão vontade de ir embora. Por outro lado sou português e sair de Portugal gera em mim o sentimentos que estou a abandonar todos, nomeadamente a família.

 

Valerá a pena abandonar tudo, para viver uma vida mais descansada economicamente, por conseguir receber o dobro (dobro da PPC)?

 

Na Antena1 costuma dar umas entrevistas rápidas a portugueses que estão pelo mundo. Essas entrevistas são todas parecidas e por norma a última pergunta é "Do que é que tem mais saudades em Portugal?"

 

Mais de 75% referem sempre as seguintes coisas:

- Família

- Comida

- Mar

- Sol

 

Menos popular, mas também amíude, amigos e esplanadas.

 

Por esta amostra se vê, que uma mudança deste calibre requer uma adaptação com uma mudança brusca de hábitos. Eu gosto de Portugal e gosto de muitos portugueses. Acho que temos excelentes profissionais, excelentes empresas, inúmeros casos de associativismo e bondade, e de forma geral boas pessoas.

 

Porém, há coisas em Portugal que desanimam, sendo que as principais são a má política, o mau jornalismo, falta de educação e falta de cultura.

 

A democracia que temos é o melhor sistema que se conhece, mas somos governados por interesses partidários, tenho sempre a sensação que os interesses dos partidos são sempre postos à frente dos interesses do país, principalmente quando os partidos estão na oposição. Fica a sensação que a oposição serve para destruir, destruir, destruir.

 

Acredito que em Portugal há bons jornalistas, mas o jornalismo que vemos em Portugal não passa dum papaguear de notícias da lusa e de outros sem qualquer confirmação de fontes e investigação. Claro que a culpa não é do jornalista - um jornalista cujas ferramentas de trabalho é um portátil e 20 euros em chamadas telefónicas dificilmente consegue fazer mais.

 

Não existe em Portugal uma noção do sistema político. Os portugueses tendem a pensar que existe uma entidade etérea chamada Estado que faz aparecer coisas que não custam dinheiro e todos os impostos que pagamos são para os políticos gastar em hóteis. Gostava que tivessemos mais noção que ter polícia, escolas, exército, subsídios disto e daquilo, custa dinheiro. E esse dinheiro não sai dum pote mágico, temos de o pagar. Já desisti de discutir estes assuntos com pessoas cujo único argumento é o Estado tem muito dinheiro. Claro que há imensos despedícios (e não devia haver), mas as pessoas têm de entender que o desperdício não é a fatia maior do bolo.

 

Continua a haver pessoas (e por culpa dos políticos) que ainda não entendeu que o país gasta mais dinheiro do que os impostos que recebe. Que a troika existe porque NINGUÉM nos emprestava dinheiro. Que os últimos que nos emprestaram dinheiro pediam 17% de juros. Que o país estava a caminhar para a bancarrota como qualquer empresa que tem mais gastos do que rendimentos.

 

Os portugueses estão a lidar mal com a crise, e a viver em constante alarmismo e revolta, muitas vezes não justificada. (Mas lá está, muitas vezes impolada pelos jornalistas). O que até gera alguma hipocrisia. Assim de repente basta ver o caso Isabel Jonet, e o caso da miúda do blog de moda, que tem o primeiro emprego a ganhar 700 euros e espera juntar para comprar uma mala Chanel. Um desejo. 

 

Agora tempos de viver todos num espírito miserabilista?

 

Tudo isto são coisas que se ultrapassam, que temos de ir mudando, não queremos viver num país de burros.

 

Eu acho que Portugal é um país com pessoas inteligentes, que tem das melhores coisas do mundo: Segurança. É bom sair à rua. Pensem bem nisso antes de pensar ir para o Brasil ou África.

 

Vamos para a frente.

 

publicado às 15:33


O meu Portugal

por Nuno Saraiva, em 10.10.12

Há coisas que eu gostava que fossem diferentes em Portugal. 

 

Gostava dum povo ligeiramente mais culto, de políticos melhores, principalmente de oposições melhores, não o bota abaixo que tudo está mal.

 

Gostava que as pessoas percebessem melhor para que serve o Estado. Que soubessem que não há lá uma máquina de dinheiro. Gostava que não se esquecessem que cortar despesas é cortar serviços ou despedir pessoas. Odeio a demagodia incutida pela oposição, o tradicional da extrema esquerda.

 

Gostava que existisse um bom jornalismo. Não a porcaria de replicadores de escândalos emitidos pela lusa que temos.

 

Gostava que existe uma Justiça que funcionasse. 

 

Mas sobretudo gosto de cá viver. Gosto das coisas todas que são promovidas neste vídeo, o sol, o mar as pessoas. E sobretudo gosto da segurança com que ainda vamos vivendo e a sensação da PAZ. Vivemos num país onde é possível viver em Paz.

 

publicado às 12:27


Porque hoje é Domingo 5.10

por Nuno Saraiva, em 31.01.10

Notícia da semana

 

O lançamento do iPad. A Apple está a ficar especialista em fazer sucesso dos seus produtos, antes destes mesmo terem sido lançados, de qualquer pessoa ou experimentar.

 

Interessante de ler é esta opinião de Quentin Hardy na Forbes: Google And The iPad.

 

 

Post da semana

 

O Orçamento Silva, de Mário Valente.

 

O retrato de Portugal e do enorme problema que vivemos.

 

A família Silva é uma família portuguesa típica: recebe mensalmente os seus salários e faz os seus gastos. O problema é que a família Silva gasta mais do que o que recebe. O que lhes está a causar um problema. Convém perceber porquê.

 

 

Foto da semana

 

 

Paris Hilton foi disfarçada de Marilyn Monroe para uma campanha de um perfume. Tirou uma fotografia e mandou-a para o twitter. Isto denota duas coisas: O mundo está diferente e meio mundo viu a fotografia quase em directo, no momento em que estava a acontecer a filmagem.

Marilyn Monroe ainda não foi substituida no papel de loira mágica, e, tanto anos depois a sua imagem ainda é utilizada para uma campanha dum perfume.

 

 

Vídeo da semana

 

 

 

 

Eu percebi bem? Axe Clean Your Balls.

 

 

Clássico da semana

 

 

 

 

Wolfgang Amadeus Mozart - Symphony 40 in G min KV 550

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado às 21:34


Ai os portugueses, os portugueses...

por Nuno Saraiva, em 24.01.10

 

 

A verdade é que às vezes vemos coisas destas.

publicado às 20:11


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D