Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




EUREKA!

por Nuno Saraiva, em 20.04.05
Esta semana tive que fazer uma demonstração que pensei não estar ao meu alcance.. Pensei pensei pensei,, tentei tentei tentei,, e foi então que consegui.. Quando consegui, saiu-me lá do fundo do meu subconsciente a palavra EUREKA!!

Não sei onde fui buscar tal palavra, conhecia-a, mas não a utilizava, nem a ouvia há muito tempo..

Origem da palavra EUREKA
"Segundo Vitrúvio, o rei Híeron II teria decidido, no momento da sua ascensão ao trono de Siracusa, comemorar o evento depositando em um templo uma coroa de ouro puro consagrada aos deuses. Fez então contacto com um ouvires e lhe entregou uma quantidade precisa de ouro. Na data prevista, o ouvires levou ao rei uma coroa soberbamente cinzelada, cujo peso correspondia exactamente ao peso do ouro que lhe fora dado.

Pouco tempo depois, vieram insinuar ao rei que o ouvires roubara uma parte do ouro, substituindo-a, na coroa, por um peso equivalente em prata. O rei Híeron, furioso mas não sabendo como descobrir a verdade, pediu a Arquimedes que lhe fornecesse a prova da culpa ou da inocência do homem.

Preocupado com o assunto, Arquimedes dirigiu-se para as termas. Então, notou que quanto mais afundava o corpo na banheira, mais água derramava para fora. Quando o seu corpo estava totalmente imerso, uma quantidade determinada de água tinha sido derramada. Impressionado com esse fenómeno, de aparência banal, descobriu a solução para o problema de Híeron e saiu do banho precipitando-se para a casa completamente nu - pelo menos assim disse Vitrúvio - e gritando Eureka!, Eureka! - "Achei! Achei".

A água derramada correspondia ao peso em volume de água do seu corpo imerso: a sua quantidade era pois inversamente proporcional à densidade do seu corpo.
Para resolver o dilema de Híeron, bastava então estudar o comportamento do ouro e da prata na água. Se uma coroa de ouro puro imersa em um recipiente deslocava uma quantidade de água diferente de uma coroa de prata com a mesma massa, imersa nas mesma condições, é que o ouro e a prata tinham densidades diferentes; uma coroa feita de uma liga de ouro e prata teria então a sua densidade própria, diferente da densidade das duas outras coroas. Para verificar isso, bastava medir a quantidade de água que cada massa deslocava, e se houvesse divergência, uma fraude eventual poderia ser desmascarada.

Arquimedes tomou então dois objectos do mesmo peso que a coroa do ourives: um de ouro puro, o outro de prata pura. Em seguida, encheu um vaso com água até a borda e mergulhou o objecto de ouro puro e depois o de prata pura. A cada vez, mediu a quantidade de água derramada, usando um sesteiro, e viu que o ouro deslocava menos água que a prata (de fato, o valor moderno da densidade do ouro é de 19, 42; o da prata de 10, 54). Enfim, mergulhou a coroa do ourives e descobriu que ela deslocava uma quantidade de água intermediária entre a quantidade de água deslocada pelo objecto de ouro puro e pelo de prata pura. Assim, obteve a prova de que a coroa for a feita de uma liga de ouro e prata.

A questão da densidade dos corpos que foi perfeitamente percebida por Arquimedes formula-se nos tempos modernos da seguinte maneira: a massa específica de um corpo é a relação da sua massa com o seu volume (M/V), e sua densidade é a relação de sua massa específica com a da água, tomada em uma temperatura padrão de 4o C.
Aliás, admite-se que a massa específica é uma propriedade intrínseca de um corpo e não varia de um corpo homogéneo para outro. Mas depende, por definição, do volume do corpo, e a temperatura e a pressão podem modificar esse volume. A massa específica e a densidade são pois função dessas duas variáveis. Essa dependência embora muito menos sensível, também existe nos corpos gasosos e até nos sólidos."

Tags:

publicado às 08:07



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D