Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Confesso que inicialmente era a favor das eleições em simultâneo.

O motivo para tal opção era a possibilidade de a democracia obter um sucesso de participação, e desta forma, a abstenção seria reduzida ao mínimo. Com toda a certeza.

Assim, para as pessoas que estão deslocadas do sítio onde votam, vai haver a opção de não ir votar em pelo menos um dos dias.

Compreendo os motivos do Presidente da República, afinal escutou os partidos, e foi democrático, pelo menos em relação a estes. Provavelmente, se Cavaco Silva marcasse as eleições de acordo com a vontade do PSD perderia o segundo mandato. Assim, reforçou a neutralidade com que nos tem habituado.

O custo de mais uma eleição não é relevante na totalidade dos custos da administração central, e, mesmo em época de crise, acho que o custo não podia entrar na equação deste problema. O escrutínio é demasiado importante para de optar pela opção mais barata. Deve optar-se pela melhor opção.

E porque é que a opção duas eleições é melhor que a opção eleição simultânea?

Li, hoje, um excelente argumento, no Mar Salgado:
Na Política, ( cap. 12 do Livro IV), o estagirita discorre sobre os vários modelos. É necessário adaptar linguagem e ambiente, mas compreende-se que o modelo mais próximo da democracia é aquele em que os cidadãos - o plenário - são todos chamados para resolver as grandes questões ( leis e assuntos de regime) enquanto outros orgãos decidem separadamente sobre outros pontos. Suponho que se Aristóteles fosse vivo recomendaria a Cavaco Silva que se fizessem eleições separadas.

De facto, a nível de reflexão e campanha, é melhor uma separação dos assuntos e das pessoas. Uma campanha simultânea para Governo, Câmara, Junta e Assembleia, seria uma fluxo de informação que a maioria de nós não consegueria absorver nem acompanhar.

Eu quero escutar os planos de Sócrates e de Ferreira Leite para o país, e decidir se voto num deles ou noutro partido mais pequeno.

Por outro lado, quero escutar os planos de Fernando Seara, que apesar de parecer, em certa altura, ter esquecido que existe uma Freguesia chamada Colares, cheia de problemas e guerras do ICN, PNSC, REN (reserva ecológica), e especulação imobiliária à mistura, vê o seu desenvolvimento e criação de emprego sufocadas. Apesar deste sentimento de abandono, Seara tem feito um trabalho acima da média, num concelho com tanta população e com zonas problemáticas. E também Marco Almeida, na gestão da habitação social. Vou também ouvir Ana Gomes mas não gosto de ser segunda escolha.

publicado às 15:54


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

subscrever feeds