Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




As facturas falsas

por Nuno Saraiva, em 19.11.08

Na semana passada o Fisco detectou uma rede de facturas falsas, que segundo as notícias lesaram-nos em um milhão de Euros [1].


A era tecnológica, e as possibilidades de cruzamentos de dados que existem, possibilitam que se descubram estas fraudes: Se o contribuinte 000000001 declara que vendeu 50 k€ ao contribuinte 000000002; e o segundo declara que comprou 300 k€ ao primeiro, algo está incorrecto.


Tradicionalmente, e felizmente esta prática está a terminar, numa inspecção a uma empresa, os fiscais iam observar os documentos e verificá-los com os registos contabilísticos. Como existiam lá as facturas, nada era detectado.


O motivo pelo qual abordei este tema aqui, foi cogitar que implicações poderá ter o software de facturação, na realização de fraudes [1];


E tentar perceber se estas fraudes se podem evitar com restrições ao software.


Uma factura falsa pode surgir essencialmente de três formas:




  1. A factura é emitida no software, imprimida e depois do original enviado ao destinatário, é modificada para um valor mais baixo, e são reimpressos os duplicados.

  2. A factura é emitida num software alternativo, com uma sequência alternativa.

  3. A factura é simulada, num processador de texto ou folha de cálculo.


Em ambos os casos, nos moldes actuais, é extremamente fácil fazer-se fraudes, sem que ninguém detecte nada. Basta ser cuidadoso, manter uma contabilidade paralela, ou movimentar valores em dinheiro (No exemplo que dei acima, o contribuinte 2 pagava 300 em dinheiro e o contribuinte 1 depositava 50 na conta da empresa.


Conclui-se que as actuais regras do sistema de facturação não são suficientemente restritivas.


Imagine-se agora, que a empresa 2, assumiu na contabilidade o gasto dos 300 k€; mas não declarou ao estado o contribuinte a quem comprou. O Fisco não detecta imediatamente, pode mesmo nunca detectar. Neste caso, houve erro grosseiro ou participação do TOC na fraude.


Uma solução possível, mas pouco viável, pois acarretaria muito trabalho e custo para as empresas, seria os contribuintes terem de declarar obrigatoriamente para todas as compras e gastos originados por dívidas a terceiros; identificando os contribuintes que tiveram o respectivo proveito.


Num próximo post, vou aprofundar mais a questão do software, pois seria a única forma viável de reduzir as fraudes com facturas.




[1] Infelizmente, parece que com a colaboração dos TOCs, que caso seja provada, o minímo que lhes deverá acontecer é perderem a carteira profissional.

publicado às 12:16


1 comentário

De Artur Correia a 19.11.2008

Só existe fraude fiscal - e sempre existirá - porque o Estado transfere para os privados a obrigação de cobrar impostos, que as empresas, diga-se de passagem, nunca quiseram.
Portanto, temos um Estado preguiçoso, que esconde com a criminalização da fraude fiscal.
Ora, a única maneira de se evitarem fraudes fiscais, garantindo que todos pagam aquilo que devem, permitindo isso uma baixa geral nas taxas é ser o Estado a cobrar o seu próprio imposto. Como?
Defendo que a Empresa A deveria facturar à empresa B, e que a empresa B procederia ao pagamento através do Estado, que entregaria à empresa A a quantia a que tinha direito deduzida do IVA.
O crédito de IVA seria pago pelo Estado às empresas trimestralmente (e não o inverso)
Passariam a ser criminalizadas as transacções comerciais entre empresas fosse pagas através desse sistema.
Acabava a fraude fiscal.
O mesmo raciocínio para salários.
Mas isto não interessa a muita gente, designadamente ao próprio Estado, que é incapaz de cumprir compromissos, e que se financia com os cumpridores, assumindo o risco dos incumpridores.
Reparem que estamos a falar do mesmo Estado a quem compensa tributar duplamente (IA e IVA) no caso dos automóveis, pois é mais rentável proceder dessa forma e indemnizar os poucos casos que chegam ao Tribunal de Justiça da UE do que cumprir a Lei.

Portanto, a solução não está em onerar mais as empresas com formalidades fiscais e normas contabilísticas. Está em mudar de sistema. (veja-se o escândalo do IVA, pago sobre a factura e não sobre o recibo. É evidente que tem de haver fraude fiscal)
Cumprimentos

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

subscrever feeds