Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O "bailout" que não chega a ser.

por Nuno Saraiva, em 22.09.08

Um dos motivos que permite temer que em consequência da crise dos bancos surja a crise do automóvel, nomeadamente nos Estados Unidos, é o facto da importância que o capital dos bancos tem na estrutura financeira destas empresas.


Claro que as empresas tentam suavizar a situação, e, tendo contraído elevados empréstimos, não dizem ser para sobreviver, mas sim para inovar e investir em veículos alternativos. Ora numa época em que a energia alternativa é a única solução, é o mesmo que estar a dizer "Ou entra dinheiro ou não aguentamos."


O Governo dos Estados Unidos autorizou no ano passado, numa atitude pouco concorrêncial, as três grandes construtoras americanas (General Motors, Ford Motor and Chrysler) a contrair empréstimos com um taxa de juro abaixo do mercado, no valor de 25 biliões de Dólares.


No entanto parece que este valor não será suficiente, e já se fala em aumentar para 50. Parece que caminhamos para uma rua cada vez mais estreita: O mercado tradicional dos carros americanos está cada vez mais estagnado e actualmente nenhuma das empresas tem uma estrutura operacional que permita fabricar alternativas pois tal nunca foi ponderado com mercado rentável.


A possível crise automóvel, já chegou ao debate político, querendo a população saber as soluções de Obama e McCain. Por enquanto o actual Governo Americano vai dizendo que estes empréstimos nada têm a ver com falências, que se trata de investimento que a médio prazo até vai permitir aumentar o número de empregos.


(Notícia)


Sinceramente, não acredito muito nesta teoria. Acredito que viriam aí dificuldades, mas ao contrário dos bancos, não taparam os "olhos com a peneira", e em vez de deixar bater no fundo e rebentar, tentam reagir a tempo para evitar a bancarrota.


50 biliões de Dólares é muito dinheiro. Será que chega?

publicado às 08:29


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

subscrever feeds