Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O Inacreditável macho português

por Nuno Saraiva, em 10.06.09
Ontem, no comboio, ia a ler o livro purple cow, do Seth Godin, quando uma conversa em voz alta me começou a desconcentrar.

Era uma conversa entre duas mulheres, mas eu, só conseguia ouvir a voz de uma, que falava em mais alto do que a companheira.

O diálogo era algo de inacreditável, e impossível de não ouvir e esquecer:

- Ficou chateado, não veio comigo.

- ...

- Sei lá começou a mandar vir ontem.

-...

- Ao jantar, porque estava a descascar primeiro a minha fruta, do que a fruta para ele.

Tendo em conta que pela voz, me parecia uma mulher entre os 25 e os 40 anos, é de bradar aos céus, que ainda haja homens que não só usufrem do trabalho doméstico das mulheres, como, pior, acham que têm o direito do exigir da forma que pretendem.

Os hábitos sociais são realmente difíceis de mudar. Tão grave como a ordem em que a mulher descasca a fruta. é o facto de achar que tem a obrigação de descascar a fruta para o marido/companheiro.

Está na nossa mão, homens, mudar isto.

publicado às 22:42


Flashback - Crise automóvel

por Nuno Saraiva, em 01.06.09
Um dos motivos que permite temer que em consequência da crise dos bancos surja a crise do automóvel, nomeadamente nos Estados Unidos, é o facto da importância que o capital dos bancos tem na estrutura financeira destas empresas.

(...)

Claro que as empresas tentam suavizar a situação, e, tendo contraído elevados empréstimos, não dizem ser para sobreviver, mas sim para inovar e investir em veículos alternativos. Ora numa época em que a energia alternativa é a única solução, é o mesmo que estar a dizer “Ou entra dinheiro ou não aguentamos.”

Em 22 de Setembro de 2008

Estamos neste momento a ver a confirmação dos factos que os dados indicavam, a indústria automóvel está saturada.

Recordo agora o que escrevi há um ano:

Quantos anos mais durará o tráfego automóvel como o conhecemos?


Uma perspectiva terrível é a que o negócio do automóvel e gasolinas pode acabar a curto prazo. Haverá na Exxon, a visão que o negócio do automóvel e dos combustíveis está a acabar, e não vale a pena investir?


Poderá haver. O Telegraph.co.uk já coloca a questão para discussão (link). Pelo rumo que as coisas estão a tomar é possível que utilizar um carro seja um custo que as famílias não possam suportar.


Algum trabalho está a ser feito para acabar com a idade do petróleo (ver aqui) e perante esta informação como devem agir as companhias petrolíferas?



Em, 14 de Junho de 2008


Cada vez mais estou convicto que a conjução dos factores preço de construção, ambiente, depedência e custo energético (do petróleo), vão acabar com os carros com motor de combustão em menos de 20 anos.

publicado às 13:54

Pág. 2/2



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

subscrever feeds